ASPECTOS FISIOLÓGICOS E FITOTÉCNICOS DO ATAQUE DE EUSCHISTUS HEROS EM SOJA

  • Michelle Nunes Barcelos Doutoranda em Agronomia pela Universidade Estadual de São Paulo.
  • Thiago Silva de Souza Engenheiro agrônomo
  • Luciana Cláudia Toscano Doutora do Curso de Agronomia da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - Unidade Universitária de Cassilândia
  • Wilson Itamar Maruyama Doutor do Curso de Agronomia, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - Unidade Universitária de Cassilândia.
Palavras-chave: Glycine max, cultivares, produtividade, percevejo da soja

Resumo

A seleção de cultivares de soja, em regiões do Cerrado, pode conferir menores perdas em relação ao ataque do complexo de percevejos. Objetivou-se avaliar os parâmetros fisiológicos e fitotécnicos da soja sob o ataque do percevejo Euschistus heros, quanto ao uso de diferentes inseticidas e cultivares. O experimento foi instalado na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - Unidade Universitária de Cassilândia na safra 2009/2010, em esquema fatorial 2 x 2 e delineamento de blocos ao acaso com parcelas subdivididas, sendo dois inseticidas na parcela: 1 - Engeo Pleno (thiametoxam + lambda cialotrina, 0,2 L ha-1); 2 - Connect (imidacloprid + betacyfluthrin; 0,75 L ha-1); e duas cultivares de soja na subparcela: a - BRS Valiosa RR; b - ANTA 82, e cinco repetições. A aplicação dos tratamentos foi realizada quando o ataque atingiu dois percevejos/amostragem, através de levantamentos semanais por pano de batida. Avaliouse a porcentagem de retenção foliar, o índice percentual de danos de vagens, a massa de cem grãos, e produtividade em Kg ha-1. Conclui-se que a espécie de percevejo predominante foi E. heros e que a cultivar BRS Valiosa RR é mais produtiva em relação à Anta-82.

Publicado
20/12/2019
Seção
Agronomia e/ou Engenharia Agrícola