CONTROLE DA CONTAMINAÇÃO NA ÁGUA DE DILUIÇÃO USADA NA PREPARAÇÃO DE MOSTO DE MELAÇO

Autores

  • Leonardo Lucas Madaleno Prof. Dr. da Faculdade de Tecnologia (FATEC) de Jaboticabal – São Paulo – Brasil. Doutor em Agronomia pela FCAV da UNESP de Jaboticabal; Engenheiro Agrônomo.
  • Marcelo Henrique Armoa Prof. Dr. da Faculdade de Tecnologia (FATEC) de Jaboticabal – São Paulo – Brasil. Doutor em Química pelo IQ UNESP de Araraquara. Químico.
  • Mariana Carina Frigieri Salaro Profa. Dra. da Faculdade de Tecnologia (FATEC) de Jaboticabal – São Paulo – Brasil. Doutora em Biotecnologia pelo IQ UNESP de Araraquara. Farmacêutica-Bioquímica.

Palavras-chave:

Microorganisms, Composite membrane, Carbon filter, Sugar VHP, White sugar, Biofuel

Resumo

A quantidade de açúcar presente no melaço requer uma redução para ser usada na fermentação etanólica pelas leveduras. No entanto, a água de diluição adicionada pode estar contaminada por microrganismos (bactérias e leveduras selvagens). Este estudo teve como objetivo reduzir a contaminação da água por meio de dois sistemas de filtragem: membranas compósitas de TiO2 / SiO2 e filtro com carvão ativado. As amostras de água de ambos os sistemas de filtragem foram comparadas com a água tratada convencionalmente, em usina de açúcar usando cloro (controle positivo) e água não tratada (controle negativo). Observou-se redução nas quantidades de microrganismos em todos os tipos de água tratada em relação ao controle negativo. Em seguida, todas as amostras foram adicionadas ao melaço e submetidas à fermentação em escala laboratorial. Como resultado, baixa contaminação foi observada em todos os tratamentos. Alguma substância do melaço pode ter reduzido a contaminação mesmo na amostra de água não tratada. Sabe-se que o SO2, utilizado na purificação de caldo em um processo denominado sulfitação na produção de açúcar, permanece no melaço após a produção de cristais. Tendo isso em mente, outro estudo foi realizado utilizando três tipos diferentes de melaço adicionado a água estéril (por alta temperatura) ou não estéril. Foram aplicados dois melaços a partir da produção de açúcar bruto (VHP - polarização muito alta) que é utilizada em quantidade reduzida de SO2. O terceiro tipo de melaço foi do processo de açúcar branco que usa grandes quantidades de SO2 na purificação. Houve uma redução na contaminação de amostras de melaço de açúcar bruto usando água estéril em comparação com a água não estéril. Quando usamos melaço de açúcar branco, amostras de água estéreis e não estéreis não diferiram na contaminação bacteriana do mosto. Como conseqüência, não é necessário tratar a água de diluição, quando usamos o melaço da produção de açúcar com sulfitação. O enxofre residual pode reduzir a contaminação na preparação do mosto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

20/12/2019

Como Citar

MADALENO, L. L.; ARMOA, M. H.; SALARO, M. C. F. CONTROLE DA CONTAMINAÇÃO NA ÁGUA DE DILUIÇÃO USADA NA PREPARAÇÃO DE MOSTO DE MELAÇO. Ciência & Tecnologia, [S. l.], v. 11, n. 1, p. 5-14, 2019. Disponível em: https://citec.fatecjaboticabal.edu.br/index.php/citec/article/view/7. Acesso em: 27 out. 2020.

Edição

Seção

Agronomia e/ou Engenharia Agrícola