LOGÍSTICA REVERSA E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS DA REGIÃO DE RIBEIRÃO PRETO/SP

Autores

  • Wesley Fernando Mischiati Borges Especialista em Logística e Supply Chain pelo Centro Universitário Moura Lacerda (Ribeirão Preto-SP, 2009).
  • Tadeu Tomio Sudo Mestre em Engenharia Mecânica pela Universidade de São Paulo (São Carlos-SP, 2001). Docente da Faculdade de Tecnologia de Jaboticabal.

Palavras-chave:

Logística Reversa, Logística Empresarial, Supply Chain Management, Cana-de-açúcar

Resumo

Atualmente comenta-se muito sobre Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos (Supply Chain Management), vital e necessário para todas as empresas. A logística possibilita a comunicação eficaz entre as empresas propiciando rapidez, flexibilidade e confiabilidade nas transações comerciais, por exemplo, reduzindo lead time e estocagem. Logística Reversa é o ramo da logística recentemente mais observado. Enquanto a logística tradicional trata de fluxo de entrada (inbound) e saída (outbound), a Logística Reversa preocupa-se com o retorno de produtos (por exemplo recall), resíduos e embalagens ao processo produtivo. Devido a legislação ambiental mais severa e maior consciência dos consumidores, as empresas estão utilizando maior quantidade de materiais reciclados e se preocupando com o descarte adequado de seus produtos ao final de seu ciclo de vida. Esta pesquisa expõe casos práticos de empresas situadas na região de Ribeirão Preto no interior do estado de São Paulo. Estas empresas têm responsabilidade social e ambiental em suas atividades, assim como, com seus produtos e o retorno dos mesmos ao processo produtivo, em forma de reciclagem ou descarte ao seu destino final ou geração de energia alternativa através da queima do bagaço da cana-de-açúcar para a geração de energia e redução da emissão de poluentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASHLEY, P. A. Ética e responsabilidade social nos negócios. São Paulo: Saraiva,

BALLOU, R.H. Gerenciamento da cadeia de suprimentos: logística empresarial. 5.

ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.

BALLOU, R.H. Logística empresarial: transportes, administração de materiais e

distribuição física. São Paulo: Atlas, 1993.

BERTAGLIA, P.R. Logística e gerenciamento da cadeia de abastecimento. São

Paulo: Saraiva, 2003.

CHOPRA, S.; MEINDL, P. Gerenciamento da cadeia de suprimentos: estratégia,

planejamento e operação. São Paulo: Prentice Hall, 2003.

CLM (Council of Logistics Management). Reuse and recycling reverse logistics

opportunities. Illinois: Council of Logistics Management, 1993.

CORONADO, O. Logística integrada. São Paulo: Atlas, 2007.

COSTA, F. Responsabilidade sócio-ambiental das empresas. Disponível em:

<http://www.i3g.org.br>. Acesso em: 01 dez. 2009.

FARIA, A.C.; COSTA, M.F.G. Gestão de custos logísticos. São Paulo: Atlas, 2005.

FLEURY et al. Logística empresarial. São Paulo: Atlas, 2000.

GOMES, C.F.S.G.; RIBEIRO, P.C.C. Gestão da cadeia de suprimentos. São Paulo:

Thomson, 2004.

GONÇALVES, P.S. Administração de materiais. 2. ed. Rio de Janeiro: Campus,

GRANOL. Grandiesel. Disponível em:

<http://www.granol.com.br/telas/pop_grandiesel.htm>. Acesso em: 01 dez. 2009.

IPSOS. Meio ambiente? O que eu ganho com isso? ÉPOCA, São Paulo, n. 469, p.18,

maio. 2007.

LACERDA, L. Logística reversa - uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas

operacionais. Artigos CEL, Rio de Janeiro, 2002. Disponível em: <http://www.centrodelogistica.com.br/new/fs-public.htm>. Acesso em: 02 abr. 2007.

LEITE, P.R. Logística reversa: meio ambiente e competitividade. São Paulo: Prentice

Hall, 2003.

MALONI, M.J.; BROWN, M.E. Corporate social responsibility in the supply chain: an

application in the food industry. Journal of Business Ethics, Dordrecht, v. 68, n. 11, p.

-52, set. 2006.

MARTINS, P.G.; LAUGENI, F.P. Administração da produção. 2. ed. São Paulo:

Saraiva, 2005.

McINTYRE, K.; SMITH H.A.; HENHAM A.; PRETLOVE, J. Logistics performance

measurement and greening supply chains: diverging mindsets. International Journal

of Logistics Management, Ponte Vedra Beach, v. 9, n. 1, p. 57-67, 1998.

NOVAES, A.G. Logística e gerenciamento da cadeia de distribuição: estratégia,

operação e avaliação. 3. ed. Rio de Janeiro: Campus, 2007.

PORTER, M.E. Competitive advantage. New York: The Free, 1985.

ROGERS, D.S.; TIBBEN-LEMBKE, R.S. Going backwards: reverse logistics trends

and practices. University of Nevada, Reno: Center for Logistics Management, 1999.

Disponível em: <http://www.rlec.org/reverse.pdf >. Acesso em: 02 abr. 2007.

SLACK, N.; CHAMBERS, S.; HARLAND, C.; HARRISON, A.; JOHNSTON, R.

Administração da produção. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

SRIVASTAVA, S.K.; SRIVASTAVA, R.K. Managing product returns for reverse

logistics. International Journal of Physical Distribution & Logistics Management,

Bradford, v. 36, n. 7, p. 524-546, 2006.

STOCK, J.R. Reverse logistics programs. Illinois Coucil of Logistics Management,

TAYLOR, D.A. Logística na cadeia de suprimentos: uma perspectiva gerencial. São

Paulo: Pearson Addison-Wesley, 2005.

TECNOLOGIA INFORMÁTICA. Sanyo promoverá recall de baterias no Japão. O

Estadão, São Paulo, 08 dez. 2006. Disponível em:

<http://www.estadao.com.br/arquivo/tecnologia/2006/not20061208p70995.htm>.

Acesso em: 01 dez. 2009.

WITT, C..E. Forward thinking about reverse logistics. Material Handling

Management, Cleveland, v. 62, n. 2, p. 24-27, Feb 2007.

Publicado

20/12/2010

Como Citar

BORGES, W. F. M.; SUDO, T. T. LOGÍSTICA REVERSA E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS DA REGIÃO DE RIBEIRÃO PRETO/SP. Ciência & Tecnologia, [S. l.], v. 1, n. 1, 2010. Disponível em: https://citec.fatecjaboticabal.edu.br/index.php/citec/article/view/68. Acesso em: 11 maio. 2021.

Edição

Seção

Agronomia e Enga. Agrícola e Meio Ambiente e Agrárias