ATRIBUTOS AGRONÔMICOS DE CULTIVARES DE QUIABEIRO EM DIFERENTES SISTEMAS DE FERTILIZAÇÃO

Autores

  • Terezinha Monteiro dos Santos-Cividanes Eng. Agrônomo(a). Dr(a). Pesquisador Científico, Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios. Ribeirão Preto, SP.
  • Roberto Botelho Ferraz Eng. Agrônomo(a). Dr(a). Pesquisador Científico, Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios. Ribeirão Preto, SP.
  • Eduardo Suguino Eng. Agrônomo(a). Dr(a). Pesquisador Científico, Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios. Ribeirão Preto, SP.
  • Sally Ferreira Blat Eng. Agrônomo(a). Dr(a). Pesquisador Científico, Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios. Ribeirão Preto, SP.
  • Rerison Catarino da Hora Eng. Agrônomo. Dr. Professor. Universidade Estadual de Maringá, Centro de Ciências Agrárias, Departamento de Agronomia, Umuarama, PR.
  • Luigi Tancredi Campo Dall’Orto Eng. Agrônomo. Mestrando em Agronomia, Universidade de São Paulo/ESALQ. Piracicaba, SP.

Palavras-chave:

abelmoschus esculentus L., malvácea, fenologia, fertilização orgânica e mineral

Resumo

O quiabeiro (Abelmoschus esculentus L.) apresenta relevante expressão econômica no mercado de hortaliças e características agronômicas peculiares à agricultura familiar. No presente trabalho avaliou-se a fertilização química e orgânica no desempenho produtivo de três cultivares (“Colhe Bem”, “Santa Cruz” e “Clensom Americano 80”) e o híbrido “Dardo”. Realizou-se a fertilização mineral com base na análise do solo e, de acordo com recomendações para a cultura e para a orgânica, aplicou-se o equivalente a 18,7 t ha-1 de esterco bovino mais 6,2 t ha-1 de torta de mamona. O delineamento experimental foi de blocos casualizados com parcelas subdivididas e quatro repetições. As parcelas constaram dos sistemas de fertilização e as subparcelas das cultivares de quiabeiro. Avaliaram-se a altura e a massa seca das plantas aos 115 dias após semeadura (DAS), data de abertura da primeira flor, da colheita do primeiro fruto, e a produtividade do quiabeiro. Os dados foram processados estatisticamente com auxílio do programa SAS. Verificou-se que “Santa Cruz” apresentou altura superior ao híbrido “Dardo” enquanto as cultivares “Clensom Americano 80” e “Colhe Bem” tiveram altura intermediária. Constatou-se que para “Santa Cruz” a fertilização orgânica foi superior à mineral em acumular massa seca da parte aérea. O híbrido “Dardo” apresentou abertura da primeira flor e colheita do primeiro fruto mais precocemente que a cultivar “Clemson Americano 80”. Esses dois materiais, por sua vez, foram precoces em florescimento e frutificação em relação à “Colhe Bem” e “Santa Cruz”. Em termos de produtividade não houve diferença significativa entre as cultivares e tampouco entre as
fertilizações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMJAD, M.; SULTAN, M.; ANJUM, M. A.; AYYUB, C. M.; MUSHTAQ, M. Comparative

study on the performance of some exotic okra cultivars. International Journal of

Agriculture and Biology, Faisalabad, v.3, n.4, p.423-425, 2001.

CAMCIUC, M; DEPLAGNE, M.; VILAREM, G; GASET, A. Okra - Abelmoschus

esculentus L. (Moench.) a crop with economic potential for set aside acreage in France.

Industrial Crops and Products, Oxford, v.7, p.257-264, 1998.

EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisas de Solos. Manual de métodos de análise de solo.

Rio de Janeiro: Embrapa - Documentos/Embrapa - Centro Nacional de Pesquisas de Solos,

212p.

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Assentamento exporta quiabo para a

Europa. Disponível em: <http://www.justica.sp.gov.br/Noticia.asp?Noticia=1277>. Acesso

em: 10 maio 2008.

GUIRRA NET RURAL. Culturas de A a Z: quiabo. Disponível em:

<http://www.guirra.com.br/az/quiabo.htm. Acesso em: 20 jul. 2005>.

INSTITUTO DE ECONOMIA AGRÍCOLA. Área e Produção dos Principais Produtos da

Agropecuária no Estado de São Paulo. Disponível em:

. Acesso em 10 mai. 2008.

KATUNG, M. D. Productivity of okra varieties as influenced by seasonal changes in

Northern Nigeria. Notulae Botanicae Horti Agrobotanici Cluj-Napoca, Cluj-Napoca, v.35,

n.1, p.65-71, 2007.

MOTA, W. F., FINGER, E. F., CASALI, V. W. D. Olericultura: melhoramento genético

do quiabeiro. Viçosa: UFV, 2000. 144p.

OLIVEIRA, A. P.; ALVES, A. U.; DORNELAS, C. S. M.; SILVA, J. A.; PÔRTO, M. L.;

ALVES, A. U. Rendimento de quiabo em função das doses de nitrogênio. Acta Scientiarum

Agronomy, Maringá, v.25, n.2, p.265-268, 2003.

OLIVEIRA, A. P.; DORNELAS, C. S. M.; ALVES, A. U.; SILVA, J. A.; OLIVEIRA, A. N.

P. Resposta do quiabeiro às doses de fósforo aplicadas em solo arenoso. Horticultura

Brasileira, Brasília, v.25, n.2, p.180-183, 2007.

PASSOS, F. A.; MELO, A. M. T.; AZEVEDO FILHO, J. A. Comportamento de seleções

IAC e de cultivares comerciais de quiabo no sistema orgânico de produção. Disponível em:<http://www.abhorticultura.com.br/biblioteca/arquivos/Download/Biblioteca/44_549.pdf>

Acesso em 10 jun. 2008.

PENTEADO, S. R. Introdução à Agricultura Orgânica - Normas e Técnicas de Cultivo.

Campinas: Editora Grafimagem, 2000. 110p.

PREMSEKHAR, M.; RAJASHREE, V. Influence of organic manures on growth, yield and

quality of okra. American Eurasian Journal of Sustainable Agriculture, Ma’an, v.3, n.1,

p.6-8, 2009.

RIBAS, R. G. T.; JUNQUEIRA, R. M.; OLIVEIRA, F. L.; GUERRA, J. G. M.; ALMEIDA,

D. L.; RIBEIRO, R. L. D. Fertilização verde na forma de consórcio no cultivo do

quiabeiro sob manejo orgânico. Comunicado Técnico 54, 2002. Embrapa Agrobiologia -

Seropédica, p. 1-4.

RIBAS, R. G. T.; JUNQUEIRA, R. M.; OLIVEIRA, F. L.; GUERRA, J. G. M.; ALMEIDA,

D. L.; RIBEIRO, R. L. D. 2003. Manejo da adubação verde com crotalária no consórcio

com quiabeiro sob manejo orgânico. Comunicado Técnico 59. Embrapa Agrobiologia -

Seropédica, p. 1-5.

SONNENBERG, P. E.; SILVA, N. F. Desenvolvimento e produção do quiabeiro em função

das datas de plantio. Pesquisa Agropecuária Tropical, Goiânia, v.32, n.1, p.33-37, 2002.

TAVARES, N. S. Manejo agrícola e ecológico de quiabo (Hibiscus esculentus L.) em um

ecossistema tropical. 1999. 67p. Monografia (Especialização em Ecologia e Recursos

Naturais). Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, ES.

TRANI, P. E.; VAN RAIJ, B. Hortaliças. In: VAN RAIJ, B.; CANTARELLA, H.;

QUAGGIO, J. A.; FURLANI, A. M. C. (Eds.). Recomendações de Adubação e Calagem

Para o Estado de São Paulo. Campinas: IAC. Boletim Técnico 100, p.157-164, 1997.

Publicado

30/06/2011

Como Citar

DOS SANTOS-CIVIDANES, T. M.; FERRAZ, R. B.; SUGUINO, E.; BLAT, S. F.; DA HORA, R. C.; DALL’ORTO, L. T. C. ATRIBUTOS AGRONÔMICOS DE CULTIVARES DE QUIABEIRO EM DIFERENTES SISTEMAS DE FERTILIZAÇÃO. Ciência & Tecnologia, [S. l.], v. 2, n. 1, 2011. Disponível em: https://citec.fatecjaboticabal.edu.br/index.php/citec/article/view/61. Acesso em: 12 maio. 2021.

Edição

Seção

Agronomia e Enga. Agrícola e Meio Ambiente e Agrárias