PANORAMA DO BIODIESEL UTILIZANDO PROSPECÇÃO TECNOLÓGICA

Autores

  • Rafaela Lora Grando Doutoranda do Programa de Pós GraduaçãoTenologia em Processos Químicos e Bioquímicos Universidade Federal do Rio de Janeiro- Escola de Química. Rio de Janeiro, Brasil.
  • Adelaide Maria de Souza Antunes Especialista Sênior no Instituto Nacional de Propriedade Industrial. Professora Emêrita Universidade Federal do Rio de Janeiro.
  • Cláudia Braga Jacques Foss de Oliveira Pesquisadora. Centro de Desenvolvimento da Petrobras.

Palavras-chave:

Biocombustíveis Líquidos, Literatura Patentária, Biodiesel

Resumo

O aquecimento global e o aumento da rigidez das legislações e regulamentações ambientais tornaram a procura por energias alternativas ao petróleo o tema central da discussão econômica em todo mundo. O mercado de energia está vivendo uma fase de grande dinamismo, com investimentos crescentes no que concerne ao uso de fontes de energia renováveis e em “inteligência energética” representada pela informação, conhecimento e conservação de energia. Sendo assim, este artigo busca apresentar uma avaliação do biodiesel utilizado como alternativas de energia ao petróleo. Neste estudo, a prospecção tecnológica será utilizada, destacando-se a importância da propriedade intelectual, no que diz respeito às patentes, seu objeto e principais depositantes, de forma a revelar o cenário atual do setor. A prospecção tecnológica, e sua análise, identificaram o compartilhamento de interesses entre os principais países depositantes de documentos de patente no setor de energias renováveis no mundo, a saber: Estados Unidos, Japão, Alemanha e China. A metodologia empregada permitiu a avaliação da distribuição dos depósitos de documentos de patente ao longo do tempo, a identificação dos principais atores atuando no setor e a real situação do Brasil, em termos de atuação no campo das energias renováveis, em relação ao restante do mundo. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA. CO2 Emissions from fuel Combustion

High Lights. Paris, 2011. Disponível em:

<http://www.iea.org/co2highlights/co2highlights.pdf.> Acesso agosto de 2014.

AGÊNCIA NACIONAL DE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS (ANP). 2012.

Boletim Anual: Preços do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis 2012. Disponível em:

http://infopetro.files.wordpress.com/2012/03/59757-2.pdf>. Acesso agosto de 2014.

AGÊNCIA NACIONAL DE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS (ANP).

PORTARIA MAPA Nº 143, DE 27.6.2007 - DOU 29.6.2007. Disponível

em:<http://nxt.anp.gov.br/nxt/gateway.dll/leg/folder_portarias/portarias_mapa/2007/pmapa%2

%20-%202007.xml>. Acesso setembro de 2014.

BARCI, P. China terá a maior unidade produtora de etanol 2G do mundo. Novo portal

Jornal da cana. Agosto 2014. Disponível em < http://www.jornalcana.com.br/china-tera-amaior-

unidade-produtora-de-etanol-2g-do-mundo/>. Acesso agosto de 2014.

BRASIL. Desenvolvimento Sustentável Responsabilidade e Compromisso de todos.

Panorama dos Biocombustíveis. COP 15. Copenhagen. Disponível em

http://www.cop15.gov.br/pt-BR/indexe6bd.html?page=panorama/biocombustiveis. Acesso em

agosto de 2014.

CANADIAN RENEWABLES FUELS ASSOCIATION (CRFA). Federal Programs.

Disponível em:<http://www.greenfuels.org/en/public-policy/federal-programs.aspx>. Acesso

agosto de 2014.

Ciência & Tecnologia: Fatec-JB, Jaboticabal(SP), v.8, n.1, p. 54-71, 2016. (ISSN: 2178-9436).

EUROPEAN COMMISSION. European Fuel Quality Directive (2209/30/EC). 2009.

Disponível em:

<http://eurlex.europa.eu/LexUriServ/LexUriServ.do?uri=CELEX:32009L0030:EN:NOT>.

Acesso agosto de 2014.

FAIRBANKS, M. Origem natural garante evolução de negócios. Revista Química e

derivados. Disponível em < http://www.quimica.com.br/revista/qd419/graxo1.htm>. Acesso

novembro de 2014.

GONSALVES, J. B. An assesment of Biofuels Industries in Índia. In: United Nations

Conference on Trade and Develpoment, Geneva, 18 October, 2006. Disponível em:

<http://unctad.org/en/docs/ditcted20066_en.pdf>. Acesso em: agosto de 2014.

INPI. Diretoria de Articulação e Informação Tecnológica – DART. Centro de Divulgação,

Documentação e Informação Tecnológica – CEDIN. Divisão de Estudos e Programas –

DIESPRO. Mapeamento Tecnológico do Biodiesel e Tecnologias Correlatas sob o Enfoque

dos Pedidos de Patentes. Maio de 2008. Disponível em:

<http://www.wipo.int/export/sites/www/patentscope/en/programs/patent_landscapes/

JENSSEN, H. US Ethanol Enters Global Market Place. Energy Tribune, Houston,18

October, 2010. Disponível em: <http://www.energytribune.com/articles.cfm/5594/USEthanol-

Enters-Global-Market-Place>. Acesso agosto de 2014.

KATAYAMA, SHUSAKU. Research & Development of Bio-fuel in Japan. In: International

Federation of Agricultural Journalists (IFAJ) Congress, 2007. Disponível em:

jaef.la.coocan.jp/ifaj/eng/document/tua/slide/5-1.pdf>. Acesso agosto de 2014.

KOPLOW, D. BIOFUELS - AT WHAT COST ?. Government support for ethanol and

biodiesel in the United States. International Institute for Sustainable Development (IISD),

October 2007, Geneva, Switzerland. Disponível em:

<http://www.iisd.org/gsi/sites/default/files/brochure_-_us_update.pdf>. Acesso agosto 2014.

KYODO. Oil-yielding algae show promise as domestic, export energy trove. The Japan

Times, Jan. 7, 2012. Disponível em: <http://www.japantimes.co.jp/text/nn20120107f2.html>.

Acesso em: maio de 2012.

LION CORPORATION. Procurement Principles. Disponível em

http://www.lion.co.jp/en/company/html/com0102f.htm.>. Acesso Setembro de 2014.

LORA, E. E. S.; VENTURINI, O. J. Biocombustíveis. 1ª ed. Ed. Interciência: Rio de Janeiro,

Cap. 6.

NOVA CANA. Automative Bussines. Raízen já ergue usina de etanol de 2ª geração. Jornal

online ed. Jan/2014. Disponível em ¸ http://www.novacana.com/n/etanol/2-geracaocelulose/

raizen-usina-etanol-geracao-070113/>. Acesso em: set. 2014.

O’KRAY, C., WU, K.. Biofuels in China: Development Dynamics, Policy Imperatives, and

Future Growth. In: Energy Forum - International Association for Energy Economics

(IAEE), Rio de Janeiro, 6-9 June,2010. Disponível em: .

Acesso em: ago. 2014.

Ciência & Tecnologia: Fatec-JB, Jaboticabal(SP), v.8, n.1, p. 54-71, 2016. (ISSN: 2178-9436).

OLIVEIRA, CLÁUDIA BRAGA JACQUES FOSS. Análise do Setor de Energias

Renováveis utilizando a Prospecção Tecnológica. 2012.220 f. Dissertação (Mestrado em

Tecnologia de Processos Químicos e Bioquímicos) - Escola de Química, Universidade

Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA PROPRIEDADE INTELECTUAL (OMPI). Classificação

Internacional de Patentes. Guia. 8a Ed., Vol. 5, 2006.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA PROPRIEDADE INTELECTUAL (OMPI). Final Report

on National Experiences with the Legal Protection of Expressions of Folklore.

Intergovernmental Committe on Intellectual Property and Genetic Resources, Traditional

Knowledgeand Folklore. Third Session. Geneva, June 13 to 21, 2012. Disponível em

http://www.wipo.int/export/sites/www/pct/pt/basic_facts/faqs_about_the_pct.pdf>. Acesso

agosto de 2014.

PAHL, GREG. "Biodiesel– Growing a New Energy Economy". 2nd edition, Chelsea Green

Publishing Company White River Junction, Vermont, 2008, pp. 136, 142

PEREIRA, ALESSANDO TEMPERINI. 2010. Disponível em:

http://coisaslegaisdesaber.com.br/2010/09/20/o-que-e-e-como-funciona-o-biodiesel-dealgas/>

Acesso em: março 2013

PLÁ, J. A. Histórico do biodiesel e suas perspectivas. Julho de 2003. Disponível

em<http://www.ufrgs.br/decon/hp/publionline/textosprofessores/pla/biodiesel.pdf>Acesso

agosto 2014.

PROENÇA, E.R..O processo de internacionalização no Brasil – Um estudo exploratório na

Dedini. In: VII SemeAD- Seminários em Administração da Faculdade de Economia,

Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, 2004, São Paulo. Anais

eletrônicos ...São Paulo: 2004, USP. Disponível em:

www.ead.fea.usp.br/semead/7semead/paginas/artigos%20recebidos/Adm%20Geral/ADM19-

_O_processo_de_internacionaliza%E7%E3o_no_Brasil.PDF>. Acesso agosto de 2014.

REN21 (Renewable Energy Policy Network for the 21st Century). Renewables 2011: global

status report. Paris, julho 2011. Disponível em

<http://www.ren21.net/Portals/97/documents/GSR/REN21_GSR2011.pdf>. Acesso agosto de

REN21 (Renewable Energy Policy Network for the 21st Century). Renewables 2014:global

status report. Paris, julho 2014. Disponível em:

http://www.ren21.net/Portals/0/documents/Resources/GSR/2014/GSR2014_KeyFindings_low

%20res.pdf>. Acesso em agosto de 2014.

SCHLITTLER, Luiz André Felizardo Silva. Mapeamento do conhecimento tecnológico da

cadeia produtiva do etanol de segunda geração por rota bioquímica. 2012.239 f. Tese

(Doutorado em Tecnologia de Processos Químicos e Bioquímicos) - Escola de Química,

Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012

SINOPEC (China Petrochemical Corporation). Energy Supply. Disponível em:

/www.sinopecgroup.com/english/Pages/Energysupply.aspx>. Acesso setembro de 2014.

SISSEL, K.. Du Pont, Genencor Form JV to Produce Cellulosic Ethanol. HIS Chemical Week,

Vol. 170, Issue 15, dez. 2008. Disponível em:

Ciência & Tecnologia: Fatec-JB, Jaboticabal(SP), v.8, n.1, p. 54-71, 2016. (ISSN: 2178-9436).

<http://www.chemweek.com/sections/top_of_the_week/DuPont-Genencor-Form-JV-to-

Produce-Cellulosic- Ethanol_11899.html>. Acesso em: junho de 2012.

SK Chemicals. Disponível em: <http://www.sk.com/happychannel/news/

news_view.asp?id=557>. Acesso em: junho de 2012.

TWIDELL, J., WEIR, T..Renewable Energy Resources. 2 Ed. New York: Taylor & Francis,

ÚNICA. União da Indústria de Cana-de-açúcar. 25% de Etanol na Gasolina Melhora

Planejamento da Produção, Estabiliza Mercado, Garante Abastecimento e traz Ganhos

Ambientais. Notícia disponível em ¸

http://www.unica.com.br/noticia/19404741920328579439/25-por-cento-de-etanol-nagasolina-

melhora-planejamento-da-producao-por-cento2C-por-cento0D-porcento0Aestabiliza-

mercado-por-cento2C-garante-abastecimento-e-traz-ganhos-ambientais/>.

Acesso agosto de 2014.

UNITED STATES DEPARTMENT OF AGRICULTURE (USDA). Foreign Agriculture

Service. Japan to Focus on Next Generation Biofuels. Global Agriculture Information

Network, Number JA9044, Tokyo, 1 june, 2009. Disponível em: <http://gain.fas.usda.gov/

Recent%20GAIN%20Publications/General%20Report_Tokyo_Japan_6-1-2009.pdf> Acesso

agosto de 2014.

US DEPARTMENT OF ENERGY (DOE). Federal Incentives and Laws for Biodiesel .

,.Disponível em: <http://www.afdc.energy.gov/fuels/laws/3251/US>. Acesso agosto de

WILSON, R. M. Patent analysis using online databases – I. technological trend analysis.

World Patent Information, v. 9, n. 1. p. 18-26, 1987.

WOODYARD, C. End of ethanol subsidy will raise the price of gas. USA TODAY, Atlanta, 3

de Janeiro de 2012. Disponível em:

<http://www.usatoday.com/money/industries/energy/story/2012-01-03/ethanol-subsidy-gasprices/

/1>. Acesso agosto de 2014

Publicado

20/12/2016

Como Citar

GRANDO, R. L.; ANTUNES, A. M. de S.; DE OLIVEIRA, C. B. J. F. PANORAMA DO BIODIESEL UTILIZANDO PROSPECÇÃO TECNOLÓGICA. Ciência & Tecnologia, [S. l.], v. 8, n. 1, 2016. Disponível em: https://citec.fatecjaboticabal.edu.br/index.php/citec/article/view/33. Acesso em: 4 dez. 2021.

Edição

Seção

Engenharia, Tecnologia e Gestão